Slider

[Resenha] Coroa Cruel, Victoria Aveyard (A Rainha Vermelha #0.1, 0.2)

domingo, dezembro 17, 2017

   

Antes de começar falar sobre o livro, é necessário dizer que Coroa Cruel é um livro que pode ser lido depois de Espada de Vidro ou até mesmo Prisão do Rei como foi o meu caso, só que claro o livro esclarece muito mais a leitura quando lido depois de Rainha Vermelha. Vou te contar por quê. Então se você não leu o segundo livro da série eu recomendo que você espere mais um pouco para ler esse.

Bom disto isso, vamos começar. A história desse livro é dividida em dois contos: Canção da Rainha e Cicatrizes de Aço. Eles contam histórias distintas de duas pessoas que estão em grupos sociais contrários, Coriane é uma moça prateada de uma casa falida, fraca politicamente que está tentando se reerguer e Farley é uma garota vermelha que mostra a luta da Guarda Escarlate. 

"Um príncipe estranho, uma noite ainda mais estranha, ela escreveu mais tarde no diário. Não sei se quero vê-lo de novo. Mas ele também parecia solitário. Será que não deveríamos ser solitários juntos?"

No primeiro conto, Coriane fala de como ela vive em Aderonack com o pai, o irmão Julian Jacos e a prima idosa Jessamine que tenta tornar nossa personagem uma nobre prateada adequada, entretanto isso não é nada parecido com o desejo dela de construir aeronaves, veículos e lâmpadas. Entretanto com a morte de um parente próximo, ela e a família partem para a Capital a fim de prestar o luto apropriado, além de mostrar “a força” da família Jacos. Nesse contexto, ela conhece um príncipe aparentemente como ela bem como a corte prateada e suas intrigas. O que será que ela vai fazer para vencer tudo isso?


Já no segundo conto, Farley nos mostra as características da Guarda Escalarte enquanto grupo rebelde que opera nas escuras. Ao mesmo tempo, ela não deixa de revelar de onde veio e como cada lembrança a afeta de forma que vemos perfeitamente em poucas páginas uma personagem forte sendo moldada pela própria história. Outro ponto interessante, é que algumas passagens relatadas coincidem com momentos de Rainha Vermelha, o que faz o leitor ser transportado para aquela parte em especial dando o ar de histórias similares que são vistas por olhares diferentes.

“Acho que devo ao coronel minha crença inabalável pela liberdade. Ele nunca me deixou pensar o contrário. Nunca me deixou aceitar de onde viemos.”

Enfim, o livro ainda tem um trecho de Espada de Vidro, e um mapa para auxiliar o leitor entre as movimentações dos personagens ao longo do livro. É por isso que eu disse que teria entendido algumas coisas melhor. Porque o universo que abrange a história é grande e em Espada de Vidro não há mapas, portanto fica difícil de imaginar onde fica cada lugar sem ter lido Coroa CruelAlém disso, como a história é contada pelo ponto de vista de Mare, nós conseguimos um pensamento mais restrito de uma pessoa, só que uma vermelha não entende muitas práticas comuns entre prateados que podem ser vistos pelo olhar de Coriane.


Então, pessoas do meu coração, acho que me empolguei um pouco! Não sei se vocês conseguiram perceber, mas eu amei o livro. Adorei ver os pensamentos diferentes de várias pessoas de uma história semelhante, mas que marca cada personagem de forma única. Claro que nem todo mundo ficou satisfeito, mas eu não achei que a leitura posterior desses contos tenha tirado o brilho delas. Então, conte-me nos comentários o que você achou! Um beijo da Yana.

10 comentários:

  1. Amei essa resenha, já possuo alguns livros da série na minha estante prontos para serem lidos e acabei ficando mais empolgado, sempre ouvi falar dos vermelhos e prateados e deduzia que um deveria ser o vilão e o outro "mocinho", agora estou na duvida se a um 3° grupo ou se sao só esses 2 e simplismente, os dois lados da história sejam mostrados, torço de coração para a segunda opção pois assim mostraria um vilão ou rebelde que quis ser e pronto, mas uma história bem construída em cima de fatos, justificativas e reações, agora vai ser difícil escolher a próxima série a ser lida kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Torço para a segunda opçao pois assim NAO mostraria um vilão que quis ser e pronto***

      Excluir
    2. Rainha Vermelha tem uma riqueza de detalhes que me agradou muito, mas não mostra exatamente os dois lados da moeda o que torna o plot da história (principalmente o final) maravilhoso. Já em Coroa Cruel e Prisão do Rei teremos um gostinho do universo sem igual que Victoria Aveyard construiu. Espero que você goste muitoooo!

      Excluir
  2. Não li a resenha porque fiquei comm medo de Spoiler mas amei as fotos amiga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica tranquila miga, pode ler! Coroa Cruel conta uma história de antes de Rainha Vermelha, então não falarei nada demais, obrigadaaa!

      Excluir
  3. Gostei da resenha, embora já tenha lido A Rainha Vermelha, Coroa Cruel, Espada de Vidro e Prisão do Rei, porque posso indicar para os meus amigos que ainda não leram o livro, pois não há spoiler!

    ResponderExcluir
  4. Oi Yana, sou completamente leiga nessa coisa de séries...kkk
    Eu fiquei com um dúvida: de qual sequência é esse livro?
    No inicio você fala que pode ser lido depois dos outros mas, como eu gosto de ler tudo sempre na ordem gostaria de saber se é o segundo, terceiro, etc;

    Eu gostei da sua resenha e achei tudo muito interessante, estou numa vibe muito boa para contos e por isso, acredito que lerei esse livro em breve. Amei as suas fotos, como sempre ficaram muito lindas.

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rainha Vermelha vem primeiro e esse foi escrito posteriormente, mas conta uma história que aconteceu antes das coisas que aconteceram em Rainha Vermelha, então é legal você ler assim que terminar Rainha Vermelha. Em seguida, você pode ler Espada de Vidro, Prisão do Rei, e o livro mais recente Tempestade de Guerra. Obrigadaaa demais pela visita Vivi, beijo!

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

CopyRight © | Theme Designed By Hello Manhattan